Grupo Monza - 39 anos pensando em você

Atendimento: 67.3029-7171 - Av.Coronel Antonino, 513

Notícias

Equação Ford: mais material renovável nos veículos, menos resíduos na natureza

Postado dia 05/10/2011

A gente sabe dos efeitos positivos do consumo da soja para o organismo, principalmente na redução do colesterol. Mas você já ouviu falar do emprego deste grão na composição de componentes da indústria automotiva? A Ford já utiliza espuma de soja para forração dos bancos de todos os seus veículos na América do Norte e também nos encostos de cabeça. O motivo? Bem, além de ser 24% mais renovável que o derivado do petróleo, este biomaterial promove redução das emissões de dióxido de carbono e corte de 67% nas emissões de compostos orgânicos voláteis. Eis os efeitos positivos da soja também para o meio ambiente.
Na verdade, Henry Ford já fazia experiências com componentes feitos à base de soja lá na década de 40. E olha que naquele tempo, nem se podia imaginar a dimensão que o problema mundial da escassez de recursos e da poluição do meio ambiente tomaria no futuro.

Seguindo os passos de seu fundador, a Ford lançou o uso mundial da espuma de soja na indústria automotiva e evoluiu muito nessa área, utilizando recursos mais renováveis, inclusive aproveitando recursos naturais dos locais onde mantém suas fábricas, como é o caso do Brasil.

A Ford Brasil usa material proveniente da reciclagem de garrafas PET na produção de carpetes, forrações de teto, caixas de roda e mantas de proteção acústica do motor de todos os seus carros fabricados localmente, incluindo as linhas Ka, Fiesta RoCam e EcoSport. A fabricante desenvolveu um novo material ecológico, o polipropileno à base de fibra de sisal, que já está sendo usado na produção de painéis internos, inclusive nos veículos que exigem alta resistência.

“A Ford vem trabalhando em novas aplicações, com maior conteúdo de soja e queremos avançar. Existem outras oportunidades de substituir a espuma tradicional nos veículos, como áreas de absorção de energia, direção e descansos de braço”, explicou Debbie Mielewski, líder técnico de Pesquisa de Plásticos da Ford.

A tecnologia de aplicação da espuma de soja em compostos da indústria automobilística, desenvolvida em parceria com a empresa Lear, é amplamente reconhecida e segue evoluindo com a busca de outras fontes para a produção, como óleo de babaçu, canola e girassol.

Há outros exemplos de utilização de recursos naturais como porta-objetos feitos com palha de trigo, resinas recicladas para cobertura de assoalho, tecidos de bancos com fios reciclados e componentes internos plásticos reforçados com fibras naturais, etc.

A Ford trabalha continuamente para reduzir ao máximo o impacto de sua atividade na natureza, por meio da reciclagem e reutilização de materiais e, sobretudo, na conscientização e envolvimento de seus parceiros e colaboradores nesta questão.

(Ford Jalopnik)

Outras notícias